Brasil, O Estado de Direita E A Escolha de Moro

Lula, O Cara (Wikipedia)Conforme dizemos, amiúde, o Brasil é um Estado de Direita (Sic!), e isto remonta à sua fundação. Diferentemente das outras nações sul-americanas, o país foi engendrado no conchavo, à moda dos seus colonizadores. Aqui não houve, como nas outras plagas sulinas, a situação política da camisinha (só desenrolou no cacete!). Isto gera um bocado de situações esdrúxulas, até, diria, anômalas, onde a Casa Grande evangelizou a nação com o sentido determinístico, onde somos perdedores e os homens de toga ou de farda os mandões. Cachorros vira-latas, o nosso complexo inculcado pela Casa Grande e tão bem aceito.

Não poderia ser diferente, em se tratando de paradigmas, tanto da direita nativa quanto da esquerda; ambos têm esta visão, de que o único caminho possível é a composição, o acordo. A direita, como já se falou a cântaros, vem com as costumeiras viradas de mesa e a esquerda, nas poucas vezes em que galga o poder, apela para a mais batida e sansimoniana saída pela governabilidade, ou seja, ambos os lados do espectro político têm o povo como excludente, como não-sujeito.

Do início da era Lula até ora, em pleno processo de golpe midiático-pseudo-jurídico, alertou-se uma pá de vezes que os nossos “irmãos” do Norte não deixariam, ad aeternum, que Lula e o PT continuassem promovendo mobilidade social, pois isto, se não crime, transformá-lo-iam, ad hoc. Dito e feito.

Aquele escatológico momento vivido pelo país, em dezessete de Abril próximo, é só o desaguar de um final anunciado. Triste. Deletério. Razão de chiste do resto das nações. Chacota internacional. Acontece, para nosso total desencanto, que aqueles deputados, se não representam a vós, individualmente, fazem-no no coletivo. A representação política é a fotografia, é o instantâneo da apetência política de um povo. Um povo que deixou o sistema midiático | jurídico do país definir como e quem nos representa (sem citar a força da grana braba do financiamento privado) merece aquele rosário de sandices dos nossos paralamentares. Poderiam só golpear, o que já é, em si, a tragédia da nação. Sem precisar das “justificativas”…

Acontece, queMoro, O Juiz de 1ª Instância Mais Poderoso do Mundo!, qualquer que seja o resultado do golpe hondurenho, ainda não acabou. Para os interessados, daqui e d´ algures, o impedimento de Dilma é só parte do processo e nem é o mais importante. A pasmar, sei. Eles precisam impedir, e aqui o sentido não se atém ao jurídico, Lula, o nêmesis. Sem tirar Lula do páreo, qualquer menino do primeiro grau, até mesmo um juizeco de primeira instância, um Moro da vida, sabe que o jogo está perdido. Teremos eleições em 2018 (ou até antes, para deleite da direita) e a elite local e seus fundadores sabem que com Lula é impossível obter sucesso, ou seja, dará, de novo, zebra, digo, jararaca, digo, o Cara.

Acontece que a direita está em um momento crucial. Terá de fazer uma escolha. Não A Escolha de Sofia. Mas a Escolha de Moro (ou de quem lhe cobra resultados, para guisa de exatidão).
Impedir Dilma, com ou sem fato determinante; tendo verdadeiros ciclistas, reis da pedalada, como relatores, redunda em nada, se não prender ou tirar de circulação o Cara!

Foi para isso que foi criada a Operação Lasca PT, digo, Lava Jato. Tanto esforço, tanto dinheiro (de onde, heim?) gasto, tanto estupro ao Direito, o verdadeiro, e perdem a eleição para o Jara, de novo? Impensável (para eles!).

Nas palaEscolha de Sofia - Capa (nonetflix.com.br)vras do próprio Nêmesis da direita, daqui e d´alhures,

se me prenderem, viro herói; se me deixarem solto, viro presidente

Acrescentamos, pois sabemos que há uma terceira possibilidade: evitem criar um mártir. Sois somente golpistas, não obturados doidivanos.
O blogue defende que as eleições presidenciais se deem em seu tempo default. O momento é muito conturbado e ainda estamos contaminados pelos acontecimentos pigais. Não demora muito e, se vier a se concretizar, a tal Ponte para Os Sem Futuro será chá-mate, já virá queimada, cheia de agressões às conquistas sociais de até então. Farão coisas inenarráveis, debaixo desta ponte… Vamos cuidar da educação política das pessoas. Tirá-las da “pedagogia do opressor”. Educação política já, vez que as reformas que deveriam ser feitas não o foram. Deu nisso…