Lula, Ícone De Um Povo, Viverá!

Calunista‘ Global Incita, defende, abertamente, o desaparecimento de Lula (Alô, JustiSSa! Alguém ainda aí?)
Não carece repetir o nome do escriba, nem ao poço do ódio, nem mesmo suas lassas razões, tudo isso sobejamente disponível in loco, bem como nas Redes Antissociais. Faça-se rápida, mesmo que não vápida análise sobre o ódio e seus arautos, e só.

Pelo bem do país, Lula deve Morrer, disse o embevecido, encolerizado calunista. Estivéramos em uma democracia, quem destila tanto ódio, tanta apologia à morte estaria em sérios apuros legais, presume-se.
A propósito, o que é o Bem ao qual se refere o salivante? Sobre qual país este apanágio recairia? Ao mesmo onde todo aparato ideológico deixa incólumes mercadores deste, inclusive de sentenças? Pouco provável…
Resta inútil lembrar ao salivante calunista que, malgrado se possa matar o homem alvo de tanto ódio, impossível matar o ícone. Lula é tão indestrutível, enquanto alter de uma era, de um povo, de uma identidade, coisas sabidamente ausentes na classe dominante, que seu desaparecimento físico poderia produzir resultados inesperados, exceto cessar o mito; empoderá-lo, ainda mais, certamente. É por isso que ainda não se ordenou, ainda, da Matriz, a Solução Final para o “Jara“.
Neste ponto, os que controlam os títeres daqui têm muito mais sensatez, por assim dizer.

Pelo bem de qualquer lugar, aqui, algures, Lula deve viver; todos devemos; ser escrutinado pelo seu povo, pois, de todos os males e sortilégios, que perdure a esperança, tão sabiamente velada por Pandora, em prol dos homens.
É o triunfo da razão sobre o ódio. Lutar pela liberdade (e pela integridade física, mais do que nunca, de Lula ou de qualquer pessoa que se encontre ameaçada pelas suas convicções políticas. Lula vive. Viverá, sempre… Ele representa Madiba e Dreyfus, e isso não pode ser evitado. Saibam disso os salivantes. Lula do Brasil.

Anúncios

Dreyfus, Madiba? Nem Nem Outro. Lula. Lula do Brasil.

Fonte: FUPAssunto mais comentado, nos portais de direita e nos blogues de esquerda, a eventual prisão de Luiz Inácio Lula da Silva tem dominado a tônica aqui e algures, não se discutindo o fato, e sim o quando. Depois dos últimos episódios de violação de todos os preceitos mais elementares do Direito, no Brasil, há de se convir que todo este pesadelo é plausível. Não vivemos mais um Estado de Direito.Vivemos um verdadeiro Estado Macarthista. “Warfare“, ‘Estado de Direito do Inimigo’.
Os próprios atos falhos dos golpistas, os escamoteados e os ostensivos, não dão margem a que se pense o contrário. Há poucos dias, Temer, o preposto da banca, o Breve, disse que lutaria pela reconstitucionalização do país (?). Bom, considere-se difícil, tal empreitada, não tão-somente por não poder ou dever ser feita pelos violadores bom como pela profundidade das lesões perpetradas contra a soberania do país, da indústria pesada e, por óbvio, do defunto Ordenamento Jurídico.

Remarcável como a metrópole, o Império, trata aos seus mandatários e como a elite local destrata os seus. Lá, eles se transformam em ‘monstros sagrados’; aqui também, mas sem o sagrados. Somente monstros, se forem de orientação de esquerda ou mesmo social-democratas.
Aliás, sempre que um social-democrata (aqui chamado de populista pela imprensa udenista) galga o poder, no Brasil, é infamado e deposto, não importam os meios. Primeiro, faz-se sua satanização, não é difícil, pois o brasileiro mediano não entende de política e é bastante avesso a esta, tornando bem fácil chamar um social-democrata de “bolivariano”, como se isto fosse, em si, uma mácula.

Impossível ver a história, o calvário pelo qual passa o grande líder político brasileiro e não traçar um paralelo histórico com Dreyfus, o judeu francês ou com Rolihlahla Mandela. Ambos sofreram, a exemplo de Lula, toda sorte de opressão estatal e foram, a seus devidos tempos, o inimigo a ser combatido, em nome da ‘purificação ideológica’ nacional.

Dreyfus, 1935, ano de sua morte. WikiPedia

Com relação ao Caso Dreyfus, o Brasil reproduziu, com pouco mais de um século, um dos maiores erros jurídicos contra um filho seu (aqui, nem discutamos a famigerada auto-anistia que a elite local inventou, a anulação do Julgamento de Carandiru e nem os casos de Genoíno, que entrou no processo para fechar um número macabro, cabalístico, e José Dirceu, que, mesmo após a elite admitir que ele não é o JD de um documento incriminador, continua preso), em nome de limpeza ideológica. Podemos dizer tudo, da elite brasileira, menos de ser atual, tempestiva.
Naqueles idos, não havia PowerPoint, mas havia lata de lixo, claro, ou seja, já havia maldade, afinal, esta começou com os humanoides, e engenharia social, idem.
Aos que anseiam pela prisão de Lula, lembro que na rica e culta Paris do Século XIX também se desejava a morte e ou a prisão de todos os judeus; o que viesse primeiro.
Quanto a Mandela, sabe-se bem mais, acredita-se; da sua prisão em Rivônia. Da sua prisão em Robben, depois em outras unidades prisionais. Um martírio de vinte e sete anos. Até se tornar o ícone de seu país, mesmo antes de sua morte.

Mandela, prisioneiro em seu próprio país. Robben, Pollsmoor e Victor Verster, quebrando pedras. Graças à CIA, sempre eles, foi possível localizá-lo, já em 1962.
Dreyfus, Ilha do Diabo.

Mandela. Fonte: WikiPediaPara onde levarão Lula, o nosso Dreyfus temporão? O Madiba? Para Guantanamoro, Curitiba?
Estará o pessoal especializado em PowerPoint, Hegel, Engels, numa mistura improvável, preparado para cuidar do nosso inimigo número 1? Estará este pessoal multidisciplinar e ainda com conexão direta com o Criador, preparado para não exceder a guarda do preso mais valioso do Brasil?
E os que anseiam pela prisão de Lula, pensam, por acaso, que este é o limite? Que o Estado de Exceção não alcançará pessoas com envergadura política menor; que estamos seguros? Qual o limite? Após a catarse da prisão do inimigo, precisarão de mais “Soma”, catarse, ou é o bastante?
Como lidarão, os procuradores messiânicos, os juízes antijurídicos, com o fim do Estado Federativo, laico?
Estarão eles preparados para o pós-prisão e para a criação de um mártir? Por ora, apenas um grande líder. Mas, dependendo do porvir, pode-se ter um novo Getúlio, quando se queria justo o contrário.

Por fim, lembrar que aos vilipendiadores do Estado de Direito não resta nada a não ser lutar, retorcer, curvar, para tornar menos inverossímil o estado de torpor e de violência estatal.
Lembrá-los de que eles nada podem fazer a não ser cumprir seus podres trabalhos contra o país, contra a Constituição, contra a indústria pesada brasileira. Só podem destruir. Ao iconoclasta, que, em rigor, é um invejoso, só resta destruir o ídolo, a obra, os seus rastros.
A eles jamais será conferida a insígnia de ícone, símbolo, orgulho. Farão sua faina desditosa. Receberão seus trinta e tantos dinheiros. Mas não vencerão. Pelo contrário, sucumbirão ao maior dos pecados capitais. Homúnculos. Vis. Odiosos.
Não entendem, posto que cegos de ciúme, que Lula é bem maior do que eles. Todos juntos.
Lula já é o maior brasileiro de todos os tempos. De algum modo, eles compartilham desta ideia. Mas a obcecação lhes embota a razão, como um véu. Por mais isolados que pareçam, estes senhores executores do regime de exceção não podem vislumbrar uma prisão sem consequências. Na França, o Caso Dreyfus apressou, e muito, a queda de todos os arroubos monarquistas. Na África do Sul, o regime enfraqueceu e há muito mais liberdade.
Aqui, o que vai sair deste arbítrio?

Brasil, O Estado de Direita E A Escolha de Moro

Lula, O Cara (Wikipedia)Conforme dizemos, amiúde, o Brasil é um Estado de Direita (Sic!), e isto remonta à sua fundação. Diferentemente das outras nações sul-americanas, o país foi engendrado no conchavo, à moda dos seus colonizadores. Aqui não houve, como nas outras plagas sulinas, a situação política da camisinha (só desenrolou no cacete!). Isto gera um bocado de situações esdrúxulas, até, diria, anômalas, onde a Casa Grande evangelizou a nação com o sentido determinístico, onde somos perdedores e os homens de toga ou de farda os mandões. Cachorros vira-latas, o nosso complexo inculcado pela Casa Grande e tão bem aceito.

Não poderia ser diferente, em se tratando de paradigmas, tanto da direita nativa quanto da esquerda; ambos têm esta visão, de que o único caminho possível é a composição, o acordo. A direita, como já se falou a cântaros, vem com as costumeiras viradas de mesa e a esquerda, nas poucas vezes em que galga o poder, apela para a mais batida e sansimoniana saída pela governabilidade, ou seja, ambos os lados do espectro político têm o povo como excludente, como não-sujeito.

Do início da era Lula até ora, em pleno processo de golpe midiático-pseudo-jurídico, alertou-se uma pá de vezes que os nossos “irmãos” do Norte não deixariam, ad aeternum, que Lula e o PT continuassem promovendo mobilidade social, pois isto, se não crime, transformá-lo-iam, ad hoc. Dito e feito.

Aquele escatológico momento vivido pelo país, em dezessete de Abril próximo, é só o desaguar de um final anunciado. Triste. Deletério. Razão de chiste do resto das nações. Chacota internacional. Acontece, para nosso total desencanto, que aqueles deputados, se não representam a vós, individualmente, fazem-no no coletivo. A representação política é a fotografia, é o instantâneo da apetência política de um povo. Um povo que deixou o sistema midiático | jurídico do país definir como e quem nos representa (sem citar a força da grana braba do financiamento privado) merece aquele rosário de sandices dos nossos paralamentares. Poderiam só golpear, o que já é, em si, a tragédia da nação. Sem precisar das “justificativas”…

Acontece, queMoro, O Juiz de 1ª Instância Mais Poderoso do Mundo!, qualquer que seja o resultado do golpe hondurenho, ainda não acabou. Para os interessados, daqui e d´algures, o impedimento de Dilma é só parte do processo e nem é o mais importante. A pasmar, sei. Eles precisam impedir, e aqui o sentido não se atém ao jurídico, Lula, o nêmesis. Sem tirar Lula do páreo, qualquer menino do primeiro grau, até mesmo um juizeco de primeira instância, um Moro da vida, sabe que o jogo está perdido. Teremos eleições em 2018 (ou até antes, para deleite da direita) e a elite local e seus fundadores sabem que com Lula é impossível obter sucesso, ou seja, dará, de novo, zebra, digo, jararaca, digo, o Cara.

Acontece que a direita está em um momento crucial. Terá de fazer uma escolha. Não A Escolha de Sofia. Mas a Escolha de Moro (ou de quem lhe cobra resultados, para guisa de exatidão).
Impedir Dilma, com ou sem fato determinante; tendo verdadeiros ciclistas, reis da pedalada, como relatores, redunda em nada, se não prender ou tirar de circulação o Cara!

Foi para isso que foi criada a Operação Lasca PT, digo, Lava Jato. Tanto esforço, tanto dinheiro (de onde, heim?) gasto, tanto estupro ao Direito, o verdadeiro, e perdem a eleição para o Jara, de novo? Impensável (para eles!).

Nas palaEscolha de Sofia - Capa (nonetflix.com.br)vras do próprio Nêmesis da direita, daqui e d´alhures,

se me prenderem, viro herói; se me deixarem solto, viro presidente

Acrescentamos, pois sabemos que há uma terceira possibilidade: evitem criar um mártir. Sois somente golpistas, não obturados doidivanos.
O blogue defende que as eleições presidenciais se deem em seu tempo default. O momento é muito conturbado e ainda estamos contaminados pelos acontecimentos pigais. Não demora muito e, se vier a se concretizar, a tal Ponte para Os Sem Futuro será chá-mate, já virá queimada, cheia de agressões às conquistas sociais de até então. Farão coisas inenarráveis, debaixo desta ponte… Vamos cuidar da educação política das pessoas. Tirá-las da “pedagogia do opressor”. Educação política já, vez que as reformas que deveriam ser feitas não o foram. Deu nisso…

O “Novo Câncer” de Lula, O Velho Jogo Sujo Da Mídia E O Câncer Midiático

Se faltava alguma mensagem para antevermos o jogo [sujo] da mídia mais irresponsável e antinacional da qual se tem nota, a ser “jogado” em 2018, agora não há mais!
Segundo Leandro Mazzini, do Blogue Cidadania, Lula Fez Tratamento Sigiloso E Controlou Novo Câncer!
Diz o blogueiro:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva combateu de um ano para cá um novo câncer e o controlou, dizem fontes ligadas ao petista. Lula se curou da doença na laringe, mas foi acometido de um câncer no pâncreas, que teria sido descoberto no início de 2014. O ex-presidente passou a visitar esporadicamente o Hospital Sírio Libanês em São Paulo durante a madrugada, entrando de carro pela garagem privativa do corpo clínico para evitar boataria. E tomou um forte medicamento para evitar a quimioterapia.”

Como de praxe, há as fontes e estas jamais se identificam. São, pasmem, médicos e assessores do PT. Surpreendente, não? O Instituto Lula Fez O Desmentido, considerando o descrito pelo blogueiro uma “peça de ficção” e o PT já mostrou sua indignação para com mais esta torpeza, através de Nota, via Internet. Antes fora mera peça de ficção. Mais do que qualquer novela, é um “wishful thinking” eterno da nossa elite e um vislumbre do jogo pesado em 2018 e ainda uma demonstração cabal de quanto o baronato teme e tenta defenestrar de vez a “ameaça Lula”, pois sabem eles que, a esta altura do campeonato, não tem adversário para jogar tête a tête com ele, o Nemesis da direita brasileira.
Acaba de ser reativado, com força total, o “Minha Metástase, Minha Vida”, Programa da elite mais escroque que se conhece. Sabedores de que, no jogo “jogado”, 2018 não conspira (sem trocadilhos).
Aliás, em se falando em câncer, volta-se a se frisar: quando teremos uma mídia nacional? Sem Lei dos Médios, nunca; reformas urgentes. Lei dos Meios, Judiciária e Financiamento Público não são prescindíveis. São, na verdade, inadiáveis.
É como cuidaremos dos verdadeiros cânceres da vida nacional. E sem radioterapia.