Eleições Em Fortaleza: Por Uma Cultura De Paz, Vote Roberto Cláudio

Passado o Primeiro Turno das Eleições Municipais, em Fortaleza, a exemplo de vários outros Municípios brasileiros onde se dispõe de eleições em dois Turnos, aqueles cujo candidato desejado se encontra fora do segundo escrutínio podem, e alguns efetivamente o fazem, pensar que a sua lida terminou, justamente por ter tido o seu escolhido preterido. Só que a política é ato contínuo. Nossas atenções devem se voltar, agora, para a escolha mais acertada entre as propostas guindadas à escolha decisiva.
Os candidatos que se qualificam ao Segundo Turno representam diferenças, sutis, que sejam, para com o seu contendor. No caso de Fortaleza não é diferente e as divergências de pensamento sobre infraestrutura, divisão orçamentária e sobre o calcanhar de Aquiles das metrópoles, a segurança, ou como os futuros gestores a veem, chega a ser gritante.

Roberto Cláudio, atual detentor do cargo, não parece imprimir grande ênfase na questão e isso é uma bênção. Veremos o porquê, a seguir.

Já o seu adversário, Capitão Wagner, tornou esta questão a menina dos olhos de sua eventual gestão. Mas aí está o nó górdio da situação: ele, o candidato, quiçá instruído pelos seus assessores, ou mesmo pela sua formação militar, hipertrofiou a lide da segurança. Tornou-a a causa em si e isto é um problema, pois uma cidade, mesmo que se reconheça a premência de repensar a questão em tela, não se resume à “luta do bem contra o mal”, “dos bandidos contra os mocinhos”, como se fosse um imenso e real Cinema Spaghetti. Mais equivocado, impossível.
Uma cidade demanda uma gama enorme de nuanças a serem tratadas com iguais zelo e com denodo, não aquele militarizado, de fazer porque é quem manda, mas sim a vontade política de realizar. Saúde, Educação, Lazer, segurança, Mobilidade, Ecologia. Tudo. Uma cidade é um organismo multifacetário e quem assim não pensar vai falhar terrivelmente, pois um verdadeiro gestor não pode ter uma visão simplista ou reducionista da realidade municipal.

A propósito, quase não se discutiu política municipalizada, dado o processo de golpe da Presidente Dilma. O país esteve acéfalo, durante quase o ano inteiro e pouco se discutiu a realidade dos munícipes. Ainda está-o.
Umas poucas vezes que reuni coragem para assistir à propaganda local, me deparei com a própria indigência de propostas, de um modo geral. Quando vi as inserções do candidato em tela, confesso que fiquei assustado. Parecia que estávamos todos dentro de um gueto. O narrador descrevia, paciente e ironicamente, os itens a portar, quando se saísse de casa; uma verdadeira operação de guerra. Faixa de Gaza é um soslaio na descrição. Assustador.

Reitere-se: a questão da cidade não se esgota na Segurança. Pelo contrário. É o leque de ações continuadas, paulatinas, dos gestores de todas as Esferas que vai influir na Segurança dos cidadãos, não o contrário. A Segurança é construída no dia a dia da cidade, com ações afirmativas, com a presença do Estado, não de modo repressor, mas oportunizando a todos o usufruto do espaço municipal.
Se alguém vier até você com propostas que se resumem a repressão, sem considerar o Estado como co-responsável pelas políticas que ele mesmo implementa, através dos seus gestores, está mal informado e ou intencionado. O problema da segurança não passa por repressão e por tutela. Segurança, por mais que eles insistam, não é caso de polícia. É problema de presença do Estado. Este como indutor de políticas sociais, não agente de repressão.

Conclamo a todos os eleitores alencarinos a repensar o que discutimos aqui. Exorto a votarem em Roberto Cláudio. Não votei nele, remarque-se. Nem em 2012 nem ora, no Primeiro Turno. Mas o farei. Porque suas propostas não apresentam o Estado como mero tutor e nem os cidadãos como inimigos internos. Propostas mais amplas, visão menos departamentizada da Segurança. Segurança é política de Estado, não caso de polícia.
Por uma política de paz. É estritamente necessário. Não estamos, jamais estivemos, a demandar heróis, fardados ou não. Mas sim gestores. Homens capazes de entender a envergadura do poder que lhe haverá de ser conferido via voz inexorável das urnas. Neste momento, dadas as duas propostas, a opção correta é Roberto Cláudio. Por uma cultura não marcial, respeitando a pessoa humana, vote Roberto Cláudio.

Anúncios

A Derrocada Do Parlamento, Forças Ocultas E As Eleições De Mentirinha

Dilma - Pronunciamento após o Processo Câmera BaixaO dia 17 de Abril, mês, como diz o escritor, sempre despedaçado, no Brasil, não pode ficar incólume, como se fora um dia qualquer. É o dia da reconquista do Estado. Aconteceu de novo, perante os olhos marejados de uns, estupefatos, d´outros, e extasiado dos perpetrantes do golpe parlamentar-judiciário.
Desta vez, não ficou a Quarta-Frota dos nossos eternos amigos (pior para nós) de prontidão: a nova modalidade de reconquista passa pelo Parlamento e pelo Judiciário. Sem ostensividade. Sutil e eficiente. Sem uma gota de sangue (até porque sangue é vermelho, coisa de comuna…).
Ah, Abril, se não tivessem tanto medo do dia primeiro e de sua má pecha, tu levarias o crédito de ´64. Deixes como está.

A senha para uma votação folgada, segura, naquele simulacro de Processo de Impeachment, veio de Moro, o juizeco de 1ª Instância, nas horas vagas, dublê de corvo, ou de seus eminentes, o que dá no mesmo: a Operação Lasca-PT, digo, Lava Jato, estaria a cerrar as portas, já cumprira sua função; ou seja, votem no golpe, e entre mortos e feridos, todos terão vida longa. Sem qualquer abespinhamento com a justiça (caixa menor intencional). Tentador, não, em se conhecendo a folha corrid., digo, o curriculum da maioria daqueles nossos “representantes”?

A distribuição virtual do butim se deu bem cedo. A imprensa pigal já “vazava” alguns ministeriáveis do novo governo (caixa também intencional. Governo golpista é sempre minúsculo). Só gente conhecida do rentismo brasileiro. Nada de novo sob o front da terra arrasada. “Ventilava”, também, algumas ações do ‘novo’ governo, como a volta da CPMF. Sim, concordo. Com Lula e Dilma este tributo foi infamado. Mas o PIG dá um jeito de tornar as coisas mais ‘palatáveis’, como sempre.

Trabalhando em outra frente, alguns aprendizes de Golbery já correm com novas estratégias salvadoras, como eleições gerais. Segundos estes “gênios”, Dilma teria uma saída elegante, não precisaria mais percorrer à Via-Crucis de nova[s] derrota[s] no Senado nem muito menos no STF. Um plano perfeito, pelo menos para quem tem um banco de vantagens, não é mesmo? Só faltou combinar com os russos, digo, com os vitoriosos, afinal, Temer, o qual acaba de ganhar um mandato-tampão com apenas 367 votos (Dilma, quem manda ser besta, precisou de 54 milhões deles. E, no fim, valeram bem pouco!), não parece tentado a esta aventura às cegas. O mandato via golpe parece lhe bastar.
Dilma, por seu turno, não é de renunciar. Aguentou soco na cara de milicos. Toda a sorte de violência. Não desistiu nem delatou ninguém. Pode-se lhe reputar como incompetente, no sentido político. De não ter caráter, jamais.

Esta proposta, que parece mais uma tentativa de esquentar o golpe, dar-lhe verniz legal, padece de vício de origem. Ora, ontem o Parlamento (ou seria Para Lamento?) disse, nas entrelinhas do golpe judiciário-midiático, que meu voto não valeu. Quem decide são eles. Ponto.
Agora, a população é convocada para votar de novo. Confuso, ineficaz e nem um pingo justificável, sob qualquer ótica, até para um país que precisa se recompor e se sabe que um processo de votação, programado ou extemporâneo, não é barato. Jogaram meu voto “no lixo” e agora me reconvocam para legitimar um golpe, nas urnas? Surreal, mesmo no Brasil.

Dilma, o PT e todas as forças de esquerda devem lutar pela legalidade, pela lisura do processo, inglória ou não a batalha. É mister de quem crê na legalidade ante a violência que manieta o Estado brasileiro, hoje, ontem, sempre. A famosa Mão Invisível ou as Forças Ocultas, como dizia Jânio Quadros.
Aliás, se não proscreverem o PT, afinal para grande parcela dos políticos brasileiros, a Guerra Fria está em pleno vigor, ele, o Partido, volta em 2018, pois a Ponte para o Futuro, considerando que a direita sempre golpeia, depois dá um arranjo, ou seja, não tem projeto de Nação, está mais para pinguela dos sem futuro. Deixa que estes golpistas comecem a la Macri e logo logo o mais parvo dos brasileiros verá que fizeram coisas inenarráveis debaixo daquela ponte dos sem futuro…

Dilma, Lula, esquerda brasileira. Resistamos ao canto da sereia de eleições antecipadas; é a maior fria que já se imaginou. É, idem, corromper, maniatar, mais uma vez, a vontade do povo. É um parlamentarismo trigueiro, acochambrado, arranjado, urdido nas sombras, tornando sem efeito o Plebiscito de ´93, o qual consagrou o Presidencialismo e deixou os golpistas de sempre com uma saída a menos. Eleições só em 2018. Com Lula ou alguém da esquerda com capacidade de amalgamar a vontade do povo brasileiro. Lutar, resistir. Jamais compactuar com os atalhos. Legalidade sempre.